Mestres da Passarela – Mariana Silva

 Mariana Silva 

Porta bandeira da S.E.S Imperador do Ipiranga, 24 anos, solteira. Ela é escorpiana, católica, acredita muito em si mesmo e busca ser bastante intuitiva, transparente e sincera. Mergulha de cabeça no que faz, tem um lado secreto no qual poucas pessoas têm acesso onde deixou um clima de mistério no ar. Para ela não existe meio-termo, quando toma uma decisão é difícil de convencê-la a mudar de ideia.

Sua trajetória no carnaval começou aos 4 anos de idade quando desfilou na ala das crianças na Escola de samba Estação de Brás Cubas. Mais tarde ela assumiu o posto de porta-bandeira mirim na agremiação. Em 2016 recebeu um convite para conduzir o pavilhão a GRCSES Unidos de Santa Bárbara. Após dois anos fazendo parte do 1° casal da escola, Mariana participou de uma audição na Imperador do Ipiranga na qual foi escolhida pela diretoria para ostentar o pavilhão de enredo daquele ano. 

  Para ela um carnaval inesquecível sem dúvida foi o de 2020. Aos 45 minutos do segundo tempo Mariana foi chamada para ser a porta bandeira principal da escola, passando a ostentar o Pavilhão oficial da Imperador do Ipiranga. Ela encarou este desfile como fim de um campeonato de futebol no qual a partida era tudo ou nada. Afinal, assumir o pavilhão oficial da Imperador do Ipiranga foi uma das maiores emoções da sua vida. 

Mariana diz: “O meu sonho sempre foi ser primeira porta-bandeira de uma escola de samba. Acho que todas as portas Bandeira têm este sonho. Passei por várias barreiras, recebendo muitas críticas negativas e positivas que me fez pensar e rever seu realmente era capaz para tanto. Chorei em silêncio, mas tive total apoio dos meus pais e de outras pessoas nos bastidores. Foram muitos ensaios em noites de chuvas, um grande desafio que me levou ao a dar o máximo de mim, resultando a nota máxima. O carnaval de 2020 ainda é muito recente, mas já se tornou muito significativo na minha vida. No momento me encontro a disposição da Imperador do Ipiranga, estou aguardando futuras oportunidades.”

 Ela acredita que realizar um sonho sempre é possível e que as críticas servem como aprendizado ajudando a caminhar cada vez mais longe.

Artigo de

Vany Franco