Nos Terreiros de samba (Parte 3)

arte: divulgação

A Nossa Amespbeesp segue em sua odisseia vitoriosa, agora já no século XXI com novas parcerias de Presidentes acreditando no nosso trabalho, abrem as portas com mais facilidade para realizarmos o nosso curso. Assim foi com Marco Antonio Silva o Marquinhos da Tom Maior, que nos recebeu em seu terreiro no alto do Sumaré e o povo da dança fez a festa. Em 2011, ele levou a nossa festa de aniversário para inaugurar a nova  quadra de samba  da vermelho e  amarelo no Bom Retiro, em uma noite memorável que reuniu 63 Pavilhões de Entidades de São Paulo, da Baixada Santista e do Interior Paulista. 

Em meio a isso, nosso trabalho se intensifica para melhorar nosso quesito em sua redação, com mais conteúdo histórico, para a compreensão daqueles que avaliaram a nossa dança. Mestre Gabi e Porta Bandeira Vivi, foram vários anos convidados a ministrar aulas para os jurados da Liga e também da Uesp, estes dois laureados da nossa arte, que logo na primeira década do novo século abriram as portas para o Mestre Ednei Mariano na Administração da Edleia dos Santos, depois de Kaxitu Ricardo e agora na de Alexandre Magno, o Nenê,  completasse em 2019 dez anos como professor dos jurados da União das Escolas de Samba Paulistana.

Em 2015 na Presidência de Kaxitu Ricardo, a Associação entra com o pedido de oficialização das Porta Estandartes dos Blocos Carnavalesco, a presença delas era obrigatória mas não eram avaliadas como quesito. Foram três anos de reuniões com os Presidentes, várias discussões sobre a importância e valorização dos Blocos de Fantasias como veículo cultural, até que foi implantado em 2017 e hoje já consolidado como quesito obrigatório. 

Na atual administração do Presidente Nenê, o bom senso venceu e o empenho destes dirigentes determinados fez a historia triunfar, com origem nos Cordões Carnavalescos, hoje elas são destaques em quase 20 Entidades carnavalescas divididas em dois grupos.

Seguimos na estrada construindo, contribuindo na formação de muitos Mestres Sala, Porta Bandeiras e hoje Estandartes, cavalheiros e damas em defesa do símbolo máximo das Entidades Paulistanas. Nos Terreiros da Águia de Ouro, da Pompéia, da Barroca Zona Sul, cruzamos a cidade estivemos na zona norte e na Império de Casa Verde dando a alegria para muitos ávidos de aprendizado.

Final da parte 3

Wesley Bj.- Diretor

Artigo de ,

Redação Sampa