Criar conteúdos infantis no YouTube se transforma em negócios

São Paulo 2/12/2020 – Nada é forçado, ter o canal partiu dela e ela adora tanto brincar, quanto produzir os vídeos

O nicho de negócio dos canais infantis e seus influenciadores mirins

Os “vovôs” e “vovós” devem se lembrar. Nem faz tanto tempo assim, as TVs eram inundadas por programas infantis. Apresentadoras enunciavam desenhos, faziam brincadeiras e entretinham as crianças diariamente em vários horários, diversos canais, todos os dias da semana. Mesmo as mamães de hoje devem ter tido seus dias de Turma da Xuxa, Eliana ou Bozo.

Todos os canais disputavam o filão infantil, que sempre teve polpudas verbas publicitárias.

O que houve de alguns anos para cá, foi que a programação infantil desapareceu das TVs. A explicação é um tanto óbvia, já é a segunda geração que nasce conectada e prefere as pequenas telas de smartphones, tablets e notebooks do que a TV aberta.

Outro grande efeito: as crianças consomem conteúdos produzidos também por crianças (alguns nem tão crianças assim). Isto claramente é uma revolução nos padrões de consumo tanto de entretenimento, quanto de publicidade.

O fato é que já existe uma indústria informal de entretenimento infantil totalmente focada em YouTube. Lucas Neto, Luluca, Maria Clara e JP, já dão ares de novos milionários, transformaram-se em canais profissionais com milhões de seguidores. Seus nomes viraram marcas de brinquedos e produtos diversos e já assinaram generosos contratos de marketing, entre os quais a modalidade mais comum é o unboxing, nome em inglês dado ao desempacotamento e análise de produtos registrados em vídeo e veiculados no canal.

Tudo isso obviamente chama a atenção de milhares de mães e crianças querendo entrar neste mercado pujante onde poucos sabem a fórmula do sucesso. Ao mesmo tempo, ainda que não se saiba a fórmula dos milhões de seguidores, ter um canal é uma boa maneira de mães e pais brincarem com seus filhos.

Os microinfluenciadores mirins

As marcas precisam de público comprador e não possuem mais o caro e amplo canal publicitário que já foi a TV aberta outrora. O que fazem agora é distribuir suas verbas de marketing entre influenciadores mirins. As marcas que investiram no canal Maria Clara e JP quando estes tinham 50.000 ou 100.000 seguidores, hoje podem lançar mão de canais que acumulam números impressionantes, na casa de 20 ou 30 milhões de seguidores.

O próprio YouTube não esconde seu apoio às iniciativas infantis, alterou totalmente sua plataforma criando regras e distinções para conteúdos infantis. Segundo a Bloomberg, o investimento é de 100 milhões de dólares pelos próximos 3 anos em canais que despertam valores nas crianças. Vídeos que exprimem coragem, compaixão, comunicação, gratidão, curiosidade, humildade, trabalho em equipe, integridade, perseverança, autocontrole, empatia e criatividade, têm as preferências da gigante Google, dona do YouTube.

Ana de Oliveira é uma dentista de 41 anos e tem duas filhas. A mais nova é a Mariana de 5 anos que, desde muito cedo começou expressar o desejo de ter seu canal, até que os pais cederam e entraram na brincadeira.

Atualmente o canal Turma da Mariana conta com quase 50.000 seguidores e uma vasto conteúdo com mais de 80 vídeos distribuídos em dinâmicas, brincadeiras, unboxing e outros. Ana explica, “nada é forçado, ter o canal partiu dela e ela adora tanto brincar, quanto produzir os vídeos. Nós enquanto pais e incentivadores descobrimos um momento mágico de convivência. Além de tudo, é uma maneira de espalhar bons valores para outras crianças.”

Ferramentas como o Social Bluebook conseguem estimar o preço de um anúncio em um canal com 50.000 seguidores, são razoáveis 845 dólares para um vídeo dedicado, estilo unboxing. Assim, é possível estimar quanto custaria para 20 milhões de seguidores.

Há um ponto de convergência quando um canal deixa a posição de mero entretenimento e passa a ter valor como negócio. Para os pais, investir em um canal infantil pode ser uma ótima oportunidade de fortalecer a relação com os filhos. Para as marcas, investir em canais incipientes e consistentes pode ser uma excepcional ferramenta de marketing.

Website: http://turmadamariana.com.br

Artigo de