Colorado do Brás divulga sinopse do enredo “Carolina – A Cinderela Negra do Canindé”

Desenvolvido pelo carnavalesco André Machado, o enredo homenageará a escritora negra Carolina Maria de Jesus, nascida em 1914, que trabalhou boa parte de sua vida como catadora de papel e morava em uma favela no bairro do Canindé, na Zona Norte da capital paulista. Em 1960 ela lançou o livro “Quarto de Despejo”, que vendeu cerca de 10 mil cópias em uma semana e chegou a ser traduzido para várias línguas.

Durante live na noite de ontem (18), assistida por vários compositores, André Machado fez uma explanação do enredo e leu a sinopse. O carnavalesco começou agradecendo a escola pela oportunidade e o carinho com que foi recebido, e afirmou que está sendo uma responsabilidade muito grande desenvolver este carnaval, pois tinha guardado na gaveta este enredo há seis anos.
Sobre o enredo, revelou que morou em um barraco de madeira, sem as mínimas condições, por dois anos e que sua vida tem uma identificação muito grande com a história desta mulher.

“Carolina, apesar da importância dela como escritora, não é reconhecida como um Jorge Amaro ou Clarice Lispector. Só quem é negro e teve a oportunidade de se aventurar na história dessa grande escritora é que sabe a importância dela na literatura. Por conta disso eu desenvolvi uma sinopse onde ela mostra, como se estivesse fazendo parte do desfile da Colorado, narrando tudo que ela passou, sempre de uma forma otimista como ela sempre foi. Ela nunca baixou a cabeça, nunca se queixou da pobreza, mas tinha uma força interior e uma vontade muito grande de viver”, revelou o carnavalesco.

Os compositores foram orientados a fazerem um samba que seja forte como o enredo pede, que seja alegre como a comunidade da Colorado do Brás e que passe uma mensagem de otimismo para todas estas mulheres que são como Carolina de Jesus, que sonham em viver da melhor forma possível.

Aproveitando a live, a diretoria da escola informou o novo formato para escolha do samba enredo para 2021 em consequência do isolamento social devido a pandemia do coronavírus. Todos os sambas concorrentes serão gravados pelo intérprete oficial da escola Chitão Martins.

Ubiratan Miranda

Compartilhe com os amigos:

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Fique por dentro

Assine Nossa Newsletter

Fique por dentro das novidades que a redação da Sampa prepara pra você

Veja também

Posts Relacionados

Primeira dama (parte 2)

A partir dos desfiles de 1968, foi criada uma cartilha para avaliar as entidades que o grande público conhece como “Quesitos”. Ao longo dos anos,

Scroll to Top