Cuíca: Um instrumento peculiar

Cuiqueiros da Barcelona do Samba, bateria da Impeŕio de Casa Verde. Foto: Edmir Fernandes e Aílton da Cuíca

A cuíca, conhecida na Angola como Pwita, é um instrumento parecido com tambor. Possui uma haste de bambu presa no centro da membrana, que reveste a parte externa do instrumento. A origem é incerta: muitos dizem que é um instrumento africano, outros dizem que ela já existia no Egito antigo.

Há indícios que a cuíca foi trazida ao Brasil pelos escravos da nação “Banto”, mas estas informações podem derivar. O instrumento era usado por caçadores para atrair leões e para obter o som perfeito, a haste deve ser friccionada com um pedaço de tecido molhado e a parte externa deve ser pressionada com os dedos.

A cuíca é considerada instrumento de percussão, mas não é percutida. A extensão de seu som pode alcançar duas oitavas na escala musical imitando uma espécie de lamento. Na década de 30, a cuíca passou a fazer parte das baterias de escolas de samba e também de grupos de Congo (dança e música trazidas pelos escravos durante o período colonial).

Quando se fala em cuíca, tenho a obrigação de citar o mestre Oswaldinho da Cuíca, um dos maiores representantes do samba paulistano.

Oswaldinho da Cuíca. Foto: Divulgação

As cuícas não são instrumentos obrigatórios nas baterias de escolas de samba, porém elas vêm sendo reintegradas há alguns anos nas baterias de diversas agremiações e um dos responsáveis por este feito é Edmir Fernandes, diretor de bateria da Barcelona do Samba, pertencente à Império de Casa Verde.

Além deste fato, temos o “Projeto Vai Cuíca”, fundado por seu atual presidente, conhecido como Dedé, e seus discípulos: Ailton da Cuíca, Edson Machado, Elaine Machado e Ismael Zuza, no ano de 2014. O projeto tem cunho social e realiza diversas ações em orfanatos, asilos e creches.

Parabéns à todos(as) cuiqueiros(as) do mundo.

Artigo de

Andréa Gadelha