Produtos veganos conquistam cada vez mais espaço nos catálogos da venda porta a porta

São Paulo, Brasil 25/2/2021 – “O segmento de vendas diretas está em constante evolução e acompanha as principais tendências de consumo.”

Consumidores e revendedores dispõe agora de opções variadas que vão de cosméticos a chás funcionais

Em busca de um estilo de vida mais consciente, saudável e sustentável, muitas pessoas vêm repensando não só a forma de consumo como o tipo de produtos que compram para abastecer a despensa e a nécessaire. Uma das vertentes que possibilitam essas mudanças de hábito é o veganismo. De acordo com uma pesquisa IBOPE Inteligência, de 2018, 14% da população brasileira se declara vegetariana — aproximadamente 30 milhões de pessoas. Apesar de não haver uma pesquisa específica sobre o número de veganos no Brasil, a Sociedade Vegetariana Brasileira (SVB) considera que, entre aqueles que se declaram vegetarianos, 7 milhões são adeptos do veganismo e que o mercado desse tipo de produto tem crescido aproximadamente 40% ao ano.

Consideram-se veganas as pessoas que não consomem nem utilizam nenhum produto de origem animal. Em outras palavras: não comem nenhum tipo de carne, leite, queijos, ovos, mel, banha e manteiga; não usam cosméticos testados ou que contenham componentes animais na formulação — como sabonete de glicerina animal e cremes à base de cera de abelha —; e nem vestem roupas ou sapatos feitos de couro, seda e lã.

Com o objetivo de atender a essa nova e crescente demanda, as empresas — principalmente as do ramo alimentício e de higiene e beleza — têm incorporado em seus portfólios opções de produtos veganos, movimento também que também já é observado no setor de vendas diretas. “O segmento de vendas diretas está em constante evolução e acompanha as principais tendências de consumo. Algumas marcas já nasceram com essa proposta de oferecer produtos formulados com ingredientes naturais. Outras reformularam itens de seus portfólios ou, até mesmo, pensaram em linhas completas para atender quem opta por este estilo de vida”, explica Adriana Colloca, presidente executiva da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas.

O maior e mais conhecido exemplo de empresa brasileira que tem esse DNA sustentável é a Natura. Hoje, 80% do portfólio da marca é composto por produtos veganos, sendo que a marca Natura Ekos é 100% composta por itens veganos. Além disso, a marca trabalha com alguns bioativos que também colaboram com o meio ambiente, como a andiroba, a castanha e o patauá. Já a Jeunesse tem50% de seus produtos voltados para o público vegano. Entre as linhas mais icônicas desse segmento estão a Jeunesse Spa Botanicals, uma linha de produtos para cuidados com a pele e os cabelos; e a E-VOK, composta por fragrâncias e óleos essenciais.

As opções disponíveis nos catálogos de vendas diretas não se resumem apenas a produtos de beleza. A Akmos, por exemplo, apostou em itens veganos voltados para a higiene e cuidados pessoais, como gel dental, enxaguante bucal e desodorante, além de também possuir um hidratante corporal. Já a Embelleze VD investiu em uma linha de chás funcionais com três opções: para auxiliar a acelerar o metabolismo, para melhorar a qualidade do sono e despertar com mais energia e para estimular o sistema imunológico.

Desta forma, por meio do portfólio de produtos veganos oferecidos pelas empresas de vendas diretas, consumidores em todo o país passam a ter acesso a esta opção de consumo diretamente com os empreendedores individuais, contando com um atendimento ágil e personalizado, além de adquirir produtos seguros, de qualidade e com preço acessível.

A Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) é uma entidade sem fins lucrativos, criada em 1980, para promover e desenvolver a venda direta no Brasil, bem como representar e apoiar empresas que comercializam produtos e serviços diretamente aos consumidores finais. A ABEVD é membro da World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA), organização que congrega as associações internacionais de vendas diretas existentes no mundo. Por isso, segue os códigos de ética implantados por suas filiadas, que representam mais de 70 países.

Website: http://www.abevd.org.br

Artigo de