Covid-19 exige mais atenção a sinais de infarto agudo do miocárdio

São Paulo – SP 22/2/2021 – Quando se trata de complicações envolvendo o coração, principalmente num cenário de pandemia, não há um segundo a perder.

Novo coronavírus pode ocasionar problemas cardíacos mesmo em pacientes sem histórico de doenças no coração, diz o Dr. Marco Antônio Perin

A Covid-19 pode trazer problemas de diferentes tipos ao coração, tanto para pacientes com histórico de cardiopatia como para pessoas sem registro de doenças cardíacas. A pandemia ainda dificulta o tratamento desse público devido ao medo de se infectar com o novo coronavírus ao entrar em um ambiente hospitalar.

“O grande número de pacientes que necessitam de internação hospitalar, admissão em UTI ou ambos frequentemente sobrecarregam as unidades hospitalares, o que compromete o atendimento de pessoas com doenças cardiovasculares, agudas ou crônicas”, disse o Dr. Marco Antônio Perin, cardiologista intervencionista do Hospital Sírio Libanês e do Hospital 9 de Julho.

Ele destaca que o acometimento cardíaco na Covid-19 mais frequente é a inflação do músculo cardíaco (conhecida por miocardite) ocasionada diretamente pelo vírus. Essa condição pode simular sinais e sintomas do infarto, e isso dificulta a diferenciação das duas condições – mesmo com exames como eletrocardiograma ou ecocardiograma. Um exame útil para o diagnóstico de miocardite ocasionada por covid-19 é a ressonância magnética cardíaca – o que pode revelar, por exemplo, um edema no miocárdio (acúmulo excessivo de fluido em uma das paredes do coração), diz o Dr. Perin.

Ajuda imediata
A infecção por Covid-19 também pode levar a um quadro de isquemia, devido ao aumento de consumo de oxigênio miocárdico (que é fornecido ao coração pelo sangue) em pacientes portadores de doença coronariana. Além disso, pode ocasionar instabilidade de uma placa aterosclerótica (gordura na parede das artérias) desencadeada pela resposta inflamatória exagerada à infecção por coronavírus.

O Sars-Cov-2 pode ainda favorecer a formação de coágulos, o que leva a uma propensão maior à obstrução de uma artéria coronária – que, por sua vez, ocasiona infartos espontâneos em indivíduos sem histórico cardíaco.

O Dr. Marco Antônio Perin orienta os pacientes a procurar atendimento médico imediato em caso de dor no peito, independentemente de estarem na fase aguda ou em recuperação da Covid-19. “Quando se trata de complicações envolvendo o coração, principalmente num cenário de pandemia, não há um segundo a perder”, afirma.

Website: http://www.pcicardio.com.br

Artigo de