A arte de ser um bom julgador de carnaval

survey, opinion research, voting
Foto: Pixabay.com

É sempre a mesma coisa. Passa ano e entra ano, quando chega o Carnaval, algumas escolas de samba que perdem reclamam das notas atribuídas à elas, e esta reclamação tem sempre um culpado: o julgador. Este, sem dúvida, é o mais criticado de todos, aquele julgador que deu a nota baixa a determinada agremiação.

Ao se tornar julgadora, a pessoa deve lembrar-se também de tudo que foi passado a ela, pois quando for contratada para o trabalho, deve saber que jamais, em hipótese alguma, poderá comprometer seu trabalho, dos demais ali presentes e da empresa que o contratou.

O julgador deve saber e lembrar que é proibido fazer uso de bebida alcoólica antes, durante e depois do desfile; fazer uso de celular ou qualquer aparelho durante o desfile; comunicar-se com qualquer pessoa a não ser o seu coordenador; passar qualquer informação a terceiros; deve permanecer na cabine até o final do desfile; e a ida ao banheiro deve ser somente com autorização do coordenador e acompanhado de um policial ou segurança do evento.

De maneira alguma, o julgador pode falar a nota que atribuiu a agremiação à qualquer pessoa, até mesmo aos seus colegas e ao coordenador. Entretanto, é necessário que o profissional use sempre caneta azul ou preta para a nota e justificativas, e deve escrever, preferencialmente em letra de forma, bem legível e sem erros de português e rasuras.

Ao chegar na cabine, deve-se conferir o material de trabalho, ou seja, se recebeu caneta, papel para rascunho, envelope para colocar a nota, lacre, verificar as pastas estão corretas, contendo todas pastas das agremiações que irão desfilar naquele dia, se tem o samba enredo na pasta e se estão em ordem de desfile. O julgador deve conferir também se os mapas de notas estão corretos, tendo a certeza que não falta nenhuma agremiação, e o quesito que ele irá julgar. Se estiver tudo correto, colocar seu nome e assinar todos os mapas de notas.

Ao começar o desfile, o julgador deve prestar muita atenção em cada detalhe da agremiação. No quesito que está em julgamento, o profissional deve ter olhos de águia, em momento algum permanecer sentado quando a escola estiver passando por sua cabine ou módulo, é importante estar atento à todos os detalhes, não deixar passar nada, mesmo que seja algo pequeno.

É importante também evitar conversas com o amigo ao lado para não desviar o foco dos demais, e quando a escola acabar de desfilar, pode-se sentar e atribuir a nota e a justificativa a ela. Ao final, colocar no envelope, lacrar, assinar e entregar ao coordenador. E quando o coordenador te liberar de sua cabine, desça e vá de encontro aos demais para irem embora.

Quando chegar ao hotel ou em casa, é importante ver o desfile novamente e analisar para ter a certeza de que você acertou em todos os detalhes.

Nós, professores, instrutores ou mestres, passamos o melhor de nós a todos os alunos. Basta eles acreditarem neles mesmos e ter força de vontade, comprometimento, transparência e lisura em tudo que irá fazer. Sendo assim, ter a certeza que você será um bom julgador ou avaliador de Carnaval.

Para se tornar um bom avaliador ou julgador de carnaval, o interessado precisa ter e levar estas quatro virtudes para aonde quer que vá. Sem elas, você será apenas mais um na multidão. O bom julgador se prepara, estuda, faz cursos, acompanha os desfiles de outros anos, vê as notas e justificativas atribuídas nos anos anteriores, procura aonde teve erros e busca saber se realmente existiu estes erros na avenida.

Comendador Rilson