Tocando em frente segue a galopeira, no rancho fundo à luz do luar… É o amor dessa gente feliz que não pode faltar!

GERO RODRIGUES/O FOTOGRÁFICO/ESTADÃO CONTEÚDO

“É de laço e de nó, de gibeira o jiló
Dessa vida, comprida, a só

Sou caipira pira pora, Nossa Senhora de Aparecida
Ilumina a mina escura e funda, o trem da minha vida”

O carnaval da Dragões de 2018 foi aberto por esse belo trecho de uma das mais clássicas musicas sertanejas do Brasil e é o que faz esse samba ser especial e também tem um significado pessoal muito forte.

Cantado na voz do René Sobral, a prosa carnavalesca que escola da Vila Anastácio trouxe nesse ano foi literalmente um sertanejo cantado em samba enredo.

Um trecho da letra oficial:

“Eu sou caipira pirapora sim sinhô!

Venho de longe pra mostrar o meu valor

Chora viola, vamô simbora!

Abre a porteira que a dragões chegou!”

O enredo fez uma viagem no Brasil a fora com a música caipira mostrando suas glorias e conquistas. O primeiro refrão é uma parte contagiante e também é chiclete. O homem que vem de longe, direto do interior para conquistar terrão nacional mostrando a fora o seu real valor.

Um detalhe chamativo que este samba trouxe foi a forma em que os arranjos versais foram escritos, pois permitiram ao interprete puxar a letra com sotaque caipira.

 Além disso, a composição estava repleta de referencias a grandes outros sucessos nacionais como: “Ainda Ontem Chorei de Saudade”, “Romaria”, “Evidencias” e “ No Rancho Fundo

O desfile em si apresentou toda a evolução do estilo musical, com a cultura exposta e exaltando o homem caipira, não de forma pejorativa, mas sim o sertanejo.

A Bateria Ritmo que Incendeia nesse ano foi acompanhado de um belo desenho trabalhado pelo Mestre Tornado e seus diretores, dando ênfase para o desenho de agogô, que assim como na Tatuapé, cantou o samba em seus principais pontos.

 A Dragões se denominou nesse ano como a escola mais feliz e caipira do carnaval de São Paulo.

Erick Eduardo