Saúde: o verão e as doenças da circulação

Curitiba – Paraná 29/12/2020 – Se não tem um acompanhamento de um cirurgião vascular, a pessoa não deve se automedicar.

Verão é uma estação difícil para os portadores de doenças venosa e linfáticas, pois o calor faz com que ocorra uma vasodilatação, com piora dos sintomas.

Em um ano atípico na vida de todos, o tempo não para e as estações continuam passando. Chegamos ao verão, que sempre foi sinônimo de sol, liberdade e alegria. Natal, Ano-Novo e Carnaval se inserem no verão. Porém, este verão de 2020/2021 vai ser diferente, com a necessidade de se manter o distanciamento social.

Entretanto nem tudo é alegria no verão. Esta é uma estação difícil para os portadores de doenças venosa e linfáticas, pois o calor faz com que ocorra uma vasodilatação, com piora dos sintomas.

As pessoas portadoras de varizes sentem as pernas mais cansadas e pesadas nesta estação, além do inchaço que acompanha, especialmente no período da tarde.

Para que isso não estrague o verão, é importante manter o peso, ter uma atividade física regular e evitar o excesso de sal na alimentação, mantendo uma dieta saudável associada à ingestão de água. Deve-se elevar os membros quando for tomar sol ou nos momentos de repouso.

A pessoa deve conversar com o cirurgião vascular sobre o caso, para que se possa fazer os ajustes no tratamento.

Se não tem um acompanhamento de um cirurgião vascular, a pessoa não deve se automedicar, pois a automedicação na maioria das vezes é inadequada e atende apenas a interesses comerciais de quem a anuncia. A sugestão é fazer uma avaliação com um cirurgião vascular o quanto antes possível.

“Este ano, ainda por causa da pandemia, não foi possível um cuidado maior da estética, com o tratamento das telangectasias, conhecidas como varicoses. É uma pena, mas vai ter que ficar para o próximo verão. É importante lembrar que não existe creme ou medicamento que possa ser usado para desaparecer com elas. Para isso, é preciso procurar um especialista, um cirurgião vascular, para realizar o tratamento, pois existem técnicas convencionais, tais como, a injeção de glicose, de espuma densa, e técnicas que utilizam o Laser e a radiofrequência.”

É importante lembrar que o tratamento das varicoses pode trazer sérias complicações, até a necrose de pele, quando realizado por pessoas não habilitadas e que não dominam as diferentes técnicas e momentos para a sua realização.

Em suma, uma vida saudável e a orientação de cirurgião vascular farão com que mesmo tendo varizes, a pessoa passe um verão mais agradável, apesar do distanciamento social.

Dr. Jorge R. Ribas Timi é cirurgião vascular e chefe do serviço de Cirurgia Vascular e Endovascular do Hospital VITA Curitiba.

Website: http://cscom.net.br

Artigo de