Fisioterapia traumato-ortopédica ajuda na prevenção, reabilitação e cuidado com pacientes

São Paulo, SP 23/12/2020 – Fisioterapia traumato-ortopédica promove e incentiva o cuidado com a saúde e através do processo de reabilitação faz com que o paciente retorne a sua vida norma

Traumo-Órtopedica Funcional é uma modalidade da fisioterapia que trata de doenças relacionada a dores, falta de força, ou mesmo, casos de maior gravidade como lesões de ligamentos e fraturas.

Atualmente, uma das principais buscas aos consultórios médicos, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), está relacionada a dores, desconforto, falta de força, ou mesmo, casos de maior gravidade como lesões de ligamentos e fraturas. O órgão alerta que grande parte da população apresenta pelo menos um caso de patologia ortopédica que pode ser tratado com a Fisioterapia Traumo-Órtopedica Funcional. Reconhecida desde 2004 pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO), essa modalidade é uma especialidade própria e exclusiva para o profissional formado em fisioterapia.

Na rotina corrida do dia a dia, muita gente não encontra tempo para práticas esportivas, alongamentos ou até mesmos descansos, que na maioria das vezes são colocados em segundo plano. Esse mau hábito pode comprometer a saúde física com surgimento de determinadas doenças, nas quais as mais comuns são tendinite, bursite, distensões musculares e rupturas de ligamento, de acordo com a fisioterapeuta Tatiana Carrasco, formada pela Universidade Estácio de Sá do Rio de Janeiro, que tem reconhecimento e habilitação como fisioterapeuta em Portugal – titulada como técnica de diagnóstico terapêutico. A profissional explica que o tratamento é feito por fisioterapia que atuará de maneira segura e dentro do limite necessário para cada paciente restabelecer suas funções normais, e de maneira mais rápida. 

“A fisioterapia traumato-ortopédica é uma especialidade da fisioterapia que tem como principal foco atuar na prevenção, reabilitação e cuidado dos indivíduos acometidos por disfunções osteoarticulares e tendíneas, sejam por resultados de traumas, fraturas, lesões por esforço repetitivo, contusões musculares, luxação, dentre outros”, esclarece Carrasco, que também é especialista em Plasticidade do Músculo Esquelético e Fisioterapia Cardiorrespiratória (UTI e reabilitação).

Segundo a fisioterapeuta, o procedimento aplicado além de tratar de lesões, também age na prevenção. Os tratamentos vêm a partir de avaliações e análises, feitas por profissionais qualificados, que descobrem possíveis desequilíbrios posturais e musculares adquiridos durante a vida, de forma viciosa, os quais poderão levar a casos mais severos, como lesões graves e traumas.  “Tenho uma vasta experiência de quando trabalhei em reabilitação traumato-ortopédica, neurológica adulto e pediátrico, na clínica de Fisioterapia Humanizada, e neste sentido, podemos citar a atuação do fisioterapeuta no âmbito ocupacional, onde analisamos a exposição dos pacientes aos movimentos repetitivos que geram lesões do sistema musculoesquelético de maneira excessiva e muitas vezes com pouco tempo para a devida reabilitação”, explana a profissional.

Os principais recursos utilizados na fisioterapia traumato-ortopédica são: eletroterapia, termoterapia, fototerapia, plataforma vibratória, avaliação e terapia isocinética, entre outros, informa Carrasco que também tem curso em Fisioterapia Neurológica, Traumato Ortopédica, Esportiva e curso de Reabilitação Neuromotora (acidente vascular cerebral). E avisa que esses procedimentos auxiliam no tratamento do paciente promovendo resultados significativos na reabilitação de traumas.

 Outra área importante da traumato-ortopédica, segundo a especialista, são os pós-operatórios, “a tão dolorosa, mas eficaz, reabilitação de pacientes”. Nesse seguimento, o fisioterapeuta auxiliará na cicatrização da estrutura lesada e na recuperação do movimento. Conforme Tatiana os métodos utilizados evitam tanto a hipertrofia, quanto fraqueza muscular e imobilizações, cada recuperação é tratada de maneira individual de acordo com técnicas e protocolos específicos. Neste contexto, é sempre exigido do profissional fisioterapeuta ser habilitado e atualizado nos novos conhecimentos, além das habilidades e comprometimento nas aplicações.

“O fisioterapeuta promove e incentiva por meio do processo de reabilitação para que o paciente possa retornar rapidamente a sua vida normal. Para isso, ele precisa estar devidamente preparado. A fisioterapia traumato-ortopédica promove e incentiva o cuidado com a saúde e através do processo de reabilitação faz com que o paciente retorne a sua vida normal e o mais rapidamente possível. É de extrema importância que o profissional esteja devidamente preparado e treinado para não pôr em risco a saúde do paciente com aplicação de maneira incorreta ou inadequada”, Completa Tatiana Carrasco, com habilidades em Fisioterapia Neurológica, Traumato Ortopédica, Esportiva e curso de Reabilitação Neuromotora (acidente vascular cerebral).

Artigo de