Consultoria aposta na educação sobre diversidade a fim de garantir o letramento básico sobre o tema e contribuir para uma sociedade mais justa

2/12/2020 –

Em tempo de polarização de ideias e conflitos resultantes da intolerância e do imediatismo, consultoria de diversidade se posiciona como aliada da tolerância e propõe o respeito à pluralidade de ideias e perspectivas como solução para conflitos, apontando o letramento como o primeiro passo para evitar a repercussão negativa do jogo de erro e acerto quando se trata de incluir a diversidade.

Pesquisas de consultorias internacionais apontam que a performance de times diversos pode ser até 36% superior que outros. Estudo recente da McKinsey indica que ações relacionadas à diversidade são bem percebidas pelas pessoas nas organizações, mas para essas mesmas pessoas a inclusão ainda não tem a mesma avaliação.

A questão é: o que torna os ambientes organizacionais mais inclusivos? Será uma questão de justiça ou de representatividade? Será que basta fazer o que é certo? Mas o que é certo? Adotar ações afirmativas é uma reparação histórica ou é baixar a régua? Dar um passo para consolidar a diversidade nas empresas é dar esmola? Casos recentes envolvendo empresas consolidadas em seus mercados – e que já eram reconhecidas por ações relacionadas à diversidade em suas operações – trazem à tona o quanto é preciso conscientizar e educar todas as pessoas para a gestão da diversidade. Uma boa intenção pode ser mal interpretada, uma fala mal colocada pode manchar uma reputação, um fato isolado pode marcar toda uma luta por igualdade.

Em meio a tantos riscos e incertezas, líderes e influenciadores de diferentes áreas têm dúvidas e buscam informação e conhecimento sobre temas relacionados à diversidade e inclusão. “Costumamos afirmar que o primeiro passo para a inclusão da diversidade é respeitar as diferenças. O segundo é dar valor. Mas não existe uma receita de bolo que agrade a todas as pessoas e organizações. Por isso, estudar é preciso.” É o que afirma Sylvia Terra, co-fundadora da FourAll, consultoria que em meio à pandemia lançou a Academia da PlurAllidade, espaço colaborativo on-line para estudo e compartilhamento de conteúdos sobre temas relacionados à diversidade e inclusão.

Em dezembro, a Academia será palco de mais uma turma da Imersão em Diversidade – acolhendo o diverso rumo a um mundo mais plural, curso on-line que se propõe a explorar os primeiros passos, dos conceitos e porquês até como começar um programa de diversidade, trilhando os principais caminhos para a inclusão de todas as pessoas. Ana Ulysséa, uma das conteudistas da FourAll responsáveis pelo programa da Imersão, lembra que quem participa da Imersão busca saber mais sobre conceitos básicos para se posicionar com mais assertividade e segurança diante de temas que têm se tornado cada vez mais polêmicos na sociedade. “Na última turma tivemos feedbacks muito gratificantes de participantes sobre o quanto valeu a pena ter dedicado algumas horas a esse estudo.”, complementa.

Ricardo Majela, um dos participantes dessa última turma, afirma que se sente mais confiante para falar sobre diversidade nas reuniões de sua empresa depois de mergulhar no tema e ressalta que essa segurança faz diferença quando precisa tomar decisões que impactem outras pessoas.

Derek Bok, que foi reitor da Universidade de Harvard, costumava dizer para quem questiona o custo de um treinamento que a ignorância custa sempre mais. Num momento ambíguo, em que a sociedade clama por tolerância, mas ao mesmo tempo se mostra intransigente e inflexível em situações que sugerem algum tipo de injustiça, conduzindo a atos extremados, iniciativas como a da FourAll são oportunas. Grandes cidades como Rio de Janeiro e São Paulo contam com a estrutura da Decradi (Delegacia de Combate a Crimes Raciais e Delitos de Intolerância), mas para não chegar a tanto, consultorias afirmam que é preciso trazer o tema para a mesa, estimular o debate, gerar ações educativas para que as pessoas saibam como lidar com situações eventualmente extremadas seja no ambiente profissional ou grupo social. Leonardo Carvalho, também da FourAll, amarra o discurso: “Justamente por não discutirmos ou debatermos, acabamos deixando para lá, e quando uma situação acontece, ficamos sem saber como agir, falar ou mesmo como devemos nos comportar. Por isso nos posicionamos como aliados da tolerância e queremos dar voz a todas as pessoas.”

Então, resumindo as falas, fica latente que quem precisa se educar ou reeducar sobre diversidade são todas as pessoas que querem respeitar e ser respeitadas. Parece cliché e talvez seja, mas é a síntese da proposta desta e de outras empresas e pessoas que trabalham como tema.

A última turma de 2020 da Imersão em Diversidade da FourAll será on-line e ao vivo nos dias 11 e 12 de dezembro, sexta à noite e sábado pela manhã. Vale conferir.

Website: https://imersao.fourall.co/diversidade-ultima-turma

Artigo de