Dilema das Redes Sociais: Os malefícios da tecnologia

Documentário está disponível na Netflix e trás a tona a realidade por trás das redes sociais e aplicativos

Reprodução Netflix

Quem nunca se sentiu observado, cansado, irritado, incomodado e até mesmo entediado navegando pelas redes sociais? Quem nunca percebeu que passamos mais tempos conectados aos celulares do que promovendo as relações interpessoais? Quem nunca foi correndo olhar os stories ou o numero de curtidas para ver quem curtiu?

O documentário “O Dilema das Redes Sociais” coloca em pauta a realidade por trás das redes sociais e de como ela funciona com entrevistas com ex-funcionários do Facebook, Goggle,Twitter, Pintrest e etc.

As cenas do documentário alternam entre as explicações de como funciona os algoritmos e de como a Inteligência Artificial (IA) condiciona o que cada individuo vê e interage na rede, tudo isso relatado pelos ex-funcionários e sendo exemplificado através das personagens.

A rede social criou artifícios que permitam maximizar as interações entre as pessoas, mas também coloca em pauta o objetivo dela. “Uma vez que você não paga pelo produto, você é o produto”, ou seja, condiciona o individuo você a ficar entretido nela o máximo de tempo possível e ela vem te alimentando com os conteúdos recomendados.

Um dos temas que o documentário aborda é a questão da propagação da informação falsa, como são perigosas e quais efeitos externos ela pode ter sobre determinada pessoas, grupos ou até nações. As redes sociais em si há um bom tempo vem sendo palco de diversos tipos de assuntos, promovendo grupos, debates sobre teorias conspiratórias e até mesmo um novo tipo de cultura como a do “cancelamento” de uma pessoa.

Com o isolamento social em jogo, o uso da internet e das redes sociais está bem agravado e passamos mais tempo em casa, surfando pela rede por horas e horas do nosso dia.

E então, você já se percebeu quanto tempo você fica no celular conectado a rede? Já pensou em excluir suas redes? Isso te incomoda ou não?

Comente abaixo!

Artigo de

Erick Eduardo