Lourival morreu de amor. Vai Lourival, vai, vai…

Amou incondicionalmente tudo e a todos, mas excesso de amor dói e mata.

É muita entrega e pouca troca. Amar muitas vezes é uma via de mão única e nos mutila em fatídicas doses homeopáticas.

Foi amor em proporções históricas e irretribuível.

Contrariando ao clássico, Lourival não está dormindo e também não foi sorrindo.

Lourival foi triste, mas ainda exalando amor…

Descanse em paz, meu ébano!

Aquiles da Vila