O Caminho Universal da Luz num Vôo para a Vila em que a Águia Aportou

O ano é 2001, é virada de século e também ano do titulo de campeã compartilhado. As tradicionalíssimas Nenê de Vila Matilde conquistava seu ultimo titulo no grupo especial e a Vai-Vai fazia o seu tetracampeonato.

As duas escolas fizeram grandes desfiles. O samba da Vai-Vai era cantando na voz de Gilsinho com ênfase no refrão e o da Nenê era cantado pelo Baby e com ênfase na retomada do samba.

“Bateria faz tremer o Anhembi

Se a Vila me chamar, tô aí

E Nenê fazendo o quê?

O seu ziriguidum

É show de samba, é carnaval 2001“

Nenê de Vila Matilde

“O Bixiga balançou

Iluminou toda cidade (a bateria)

Arrepia da um show

Vai-Vai é luminosidade”

Vai-Vai

As escolas traziam nesse carnaval o tema da Criação. Vai Vai contou a história que a luz trouxe, na qual vinha desde o surgimento da vida as características e sentimentos interpessoais dos seres humanos.

No refrão da Vai-Vai, o samba fala de Deus, “Ele”, o ser onipotente, da divindade e da luz. O jogo de palavras entre Fé e Axé fazia ligação direta aos preceitos ali escritos como a benção de todas as crenças e que ele é o bom pastor e que nada os faltara.  

A chuva branca do céu, a vida na terra e o pensamento dos homens refletidos nos ideais da idade da luzes eram pontuados logo, evidenciava que o homem está tanto para o bem tanto para o mal.

O contraponto entre a religião e a ciência é a marca do samba e apenas com a luz da consciência, iríamos ser guiados pelo destino ao caminho do amor, da luz e da Paz universal. Tudo isso estava sendo bem referenciado pelas fantasias e os setores da escola, em especial o ultimo que era inteiramente branco.

O samba da Vila trazia em sua letra a história do negro como o primeiro marco de civilização, dono de grandes construções e que ele já foi artista, poeta e professor. A Vila representava tudo aquilo que o negro era: Rei.

No decorrer do desfile, os setores da escola iam de acordo com a descrição do carnavalesco, passando pela história do surgimento das civilizações, a formação do Egito pelas mãos negras, passagem pela Índia, ensinamentos das numerologias, musicalidade e muito mais traços que os negros deixaram pelos continentes mundo a fora.

Quando ele retorna para casa com a Águia, ele cria a escola de samba, a Zona da Paz e mostra que ali, todas as raças e classes são iguais em prol de um único objetivo.

Os enredos e os sambas tinham suas visões com variações diatópicas da mesma história e são realmente dignas e excelentes representações carnavalescas das agremiações.

As escolas são conhecidas por serem pioneiras no carnaval e com uma boa quantidade de títulos. As duas mostravam a raiz, a felicidade, graciosidade e a espontaneidade que é o desfile de uma escola de samba.

Erick Eduardo