Quais as contribuições dos veículos de séries especiais para o mercado automotivo

São Paulo – SP 26/8/2020 – O principal apelo é oferecer ao consumidor, por um preço menor, um conjunto de opcionais normalmente limitado a uma versão mais cara do modelo.

A concorrência do mercado de automóveis no Brasil é extremamente acirrada entre as montadoras.  Para conseguir atender os desejos e satisfazer os clientes as empresas buscam alternativas que correspondam a estas necessidades com tendências e novidades.

A venda de veículos em 2019 apresentou crescimento de 10,48% em relação a 2018 segundo a Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores. O engenheiro de produção mecânica, Gian Carlos de Queiroz, que tem mais de 30 anos de experiência na indústria automotiva afirma que nos bastidores desse aumento de venda têm muito trabalho das montadoras que desenvolvem o que é conhecido como séries e edições especiais.

“O principal apelo é oferecer ao consumidor, por um preço menor, um conjunto de opcionais normalmente limitado a uma versão mais cara do modelo. Esses veículos podem ser lançados em datas comemorativas, como o centenário da marca no mercado brasileiro, eventos esportivos significativos para o país, como também a inspiração pode surgir dos festivais musicais, onde o apelo para a demanda jovem tem crescido a cada ano. Para o consumidor final o estímulo é uma relação de custo-benefício atrativa, além de uma sensação de exclusividade” relata o engenheiro.

Gian explana que as ações que estão por trás dessas edições são os custos de fabricação de veículos no Brasil que são altos e as montadoras buscam constantemente alternativas para aumentar a demanda por os produtos, aumento de seu lucro, além de trabalhar para reduzir os custos de manufatura e aquisição de peças dos fornecedores. “As razões que direcionam o lançamento de uma série especial envolvem sempre aumentar o volume de produção de um veículo e de um determinado acessório, que na maioria das vezes são oferecidos em catálogos top de linha”.

Queiroz afirma que as solicitações de aumento da demanda destes acessórios, mesmo que seja para montar em outro catálogo mais simples, traz benefícios tanto para a montadora, que obtém redução de custo na compra do acessório, como também para o fornecedor que consegue diluir os custos com o aumento de volume destes acessórios. “A proposta de oferecer uma série especial é proporcionar ao cliente atributos exclusivos a preços mais acessíveis”.

Normalmente uma série especial oferece equipamentos de conforto e segurança que a versão regular não oferece, cobrando menos do que o valor que o consumidor pagaria para incluir esse pacote adicional, atraindo tanto os já clientes da marca como novos clientes que são conquistados por estes atrativos. Essas são as razões que muitas vezes levam as montadoras a lançarem suas séries especiais no mercado, e estas estratégias de marketing são imperceptíveis ao público.

Os ganhos nessas decisões de lançamentos de séries especiais, muitas vezes trazem o aumento de mão de obra, implementação de novas tecnologias, reduções dos custos na cadeia de valor para o fornecedor do acessório e aumento do lucro que as montadoras disputam acirradamente no mercado brasileiro. “Em alguns casos, a série especial acaba fazendo tanto sucesso que a montadora decide transformá-la em uma versão regular do seu portfólio – como aconteceu com o Ford Ecosport Freestyle, que no início foi lançado como uma série especial, porém as vendas e a satisfação dos clientes foram extremamente significativas, o que levou a Ford a transforma-lo em um catálogo regular de produção, gerando os benefícios mencionados acima”, detalha o engenheiro.

O cliente final sempre espera uma novidade no mercado automotivo e os veículos de séries especiais podem ser a resposta para essa procura.  “Para os fabricantes, esse pode ser um artifício útil para chamar a atenção de novos clientes, como também a solução para reduzir os altos custos de fabricação para as montadoras”, finaliza Gian.

Website: https://www.linkedin.com/in/gian-carlos-queiroz-40a61a34

Artigo de