São Paulo… Cidade que não para, é joia rara, teu futuro é promissor!

Imagem: Ayrton Vignola

O ano é 2004, todas as escolas de samba do carnaval de São Paulo fizeram um enredo falando sobre a majestosa Sampa comemorando os seus 450 anos. São Paulo, a cidade que não para consagrou a até então jejuada de títulos, Mocidade Alegre.

O carnaval nesse ano foi muito marcante e também fora um ano de mudanças em vista das campeãs anteriores, com Gaviões da Fiel, Nenê de Vila Matilde, Vai-Vai e X-9 Paulistana. A vitória da Mocidade em 2004 foi uma mudança crucial em sua história e na do carnaval de São Paulo.

Na gestão da Presidente Solange Cruz, a escola quebrou seu espaço de 24 anos com o titulo e o mesmo foi em homenagem à falecida ex- presidente, Elaine Bichara. No ano anterior a escola tinha sido vice-campeã e já tinha o grande mestre na voz, Daniel Colletê.

“Bate forte coração ôôô
Minha Mocidade vai passar
Pisa firme nesse chão, gente boa
Parabéns, Terra da Garoa”

Esse é o 1° refrão do samba da Mocidade, ele é simplesmente fantástico e estupendo. O samba-enredo nesse ano trouxe o seu êxito perfeito na avenida, melodia maravilhosa, uma letra fácil de cantar e que fez o seu povo obter um ótimo desempenho. Um advento que fez esse samba ser o melhor daquele ano é show que o interprete deu durante o desfile. Daniel deu tudo de si como sempre e a escola foi junto, logo o resultado foi o campeonato.

O samba traz consigo as características da cidade de São Paulo, é retratado fielmente em seu enredo com as fantasias e alegorias. A letra do samba mostra a magnificência e plenitude da grandiosa São Paulo, sendo ela refugio de imigrantes e mencionada no samba como a “Pele-Brasil”, local que tem de tudo e que recepciona todos de braços abertos.

É a metrópole da tradição, da beleza e das inovações que ocorrem simultaneamente e também é do paulista, do interiorano, do português, do japonês, do espanhol, do italiano, do turco e do alemão e que hoje se tornou o palácio da multi diversidade étnico-cultural.

Erick Eduardo